É graças à atenção que conseguimos manter a mente focada quando estudamos, assistimos televisão, participamos de uma reunião ou conversamos com um amigo.

Diariamente, recebemos inúmeros estímulos externos. A atenção é a capacidade que o cérebro tem de filtrar o que é importante e excluir o que é distração, uma vez que seria impossível reagir á totalidade desses estímulos. Algumas vezes este filtro é consciente, outras não.

A atenção, porém, não está ligada somente ao foco em um único estímulo, o sujeito pode igualmente dividi-la, nos casos em que precisa executar mais de uma tarefa ao mesmo tempo, como nos momentos em que se está navegando no computador e simultaneamente se atende o celular.

Para que se esteja atento a algo é preciso obedecer a requisitos primordiais.

No plano fisiológico a atenção está sujeita ao bom estado do sistema neurológico e ao contexto em que a pessoa está mergulhada.

Na esfera motivacional tudo depende do significado que determinado aspecto  representa para o indivíduo.

A atenção está organizada em tipos:

 

Atenção concentrada

Usamos essa função quando focamos a atenção em um só objeto. Atenção concentrada é a capacidade que o cérebro tem de se concentrar em apenas uma coisa, excluindo o que está em volta.

 

Atenção alternada

Quando a sua atenção muda de um foco para outro, ela está alternada. Usa-se este tipo de atenção, quando alternamos tarefas que exigem diferentes níveis de compreensão, como quando você lê um manual para entender como funciona a instalação de um aparelho e só depois parte para a execução.

 

Atenção sustentada

A atenção sustentada é descrita como a habilidade de manter o foco durante uma atividade contínua e repetitiva. Praticamos esse tipo de atenção, quando a mente está focada em uma mesma tarefa por um longo período, sem distrações.

 

Atenção seletiva

É quando, conscientemente, selecionamos onde a mente deve permanecer focada.

A atenção e suas funções são essenciais para um dia a dia produtivo. É graças a essa habilidade que conseguimos adquirir conhecimento, afinal estamos mais suscetíveis às distrações, o que prejudica o rendimento nas mais diferentes áreas, portanto, é preciso evitar o comprometimento da atenção e de suas funções exercitando-a para que ela se fortaleça.

Dicas de exercícios:

  • Sair do “piloto automático” e fazer coisas diferentes a cada dia, que saiam um pouco da rotina, já ajuda a trabalhar o que os médicos chamam de atenção ativa. Vale fazer as compras semanais em um supermercado diferente, mudar o caminho para o trabalho ou tentar um restaurante novo no fim de semana. Novidades em geral fazem bem à memória.
  • ·         concentração, importantíssima para o processo de memorização, também pode ser trabalhada com exercícios simples, como a técnica do ponto fixo. Para treinar, fixe um objeto de mais ou menos 5 centímetros de diâmetro à sua frente, na parede. Deixe todos os outros pensamentos de lado enquanto estiver olhando aquele ponto e volte a seu foco de atenção sempre que necessário. Repita o exercício por 3 minutos, todos os dias

 

  • Essa  dica também melhora a concentraçãosem escrever, escolha uma palavra e soletre-a de trás para frente. Comece com palavras curtas e que conhece bem e passe gradualmente para palavras mais longas e complicadas. Continue o exercício até que verifique que ele já não é tão desafiador.
Thais Martins Santos
Psicóloga da Clinlife
CRP 04 24 638

 

Related posts:

  1. Atenção e Memória
  2. A Reserva Cognitiva e a Qualidade de Vida
  3. Persistência: adquira esta habilidade!
  4. FÍGADO, ÓRGÃO ESSENCIAL PARA O BOM FUNCIONAMENTO METABÓLICO
  5. Velocidade de execução – Uma variável importante na musculação